A origem da Homeopatia

A Homeopatia surgiu há cerca de 200 anos, muito embora suas raízes remontem à Grécia Antiga. Pai da Medicina, o grego Hipócrates foi o primeiro a deslumbrar a Lei da Semelhança -“Similia similibus curantur” (“Semelhante cura Semelhante”) – grande pilar dessa Medicina. Mas quem a desenvolveu foi o médico alemão Christian Friedrich Samuel Hahnemann (1755-1843).

No início do século XIX, Samuel Hahnemann, inconformado com a medicina extremamente agressiva e perigosa ensinada e praticada à sua época, foi procurar uma alternativa segura e eficaz para o tratamento dos doentes. Com muito estudo e inaugurando a medicina experimental, ele estruturou a nova arte de curar: a Homeopatia.

Ser humano dotado de enorme capacidade intelectual e de espírito iluminista, Hahnemann foi um homem muito à frente de seu tempo. Revoltado com as práticas médicas vigentes que matavam e mutilavam seus pacientes, rebelou-se contra o absolutismo dessa medicina mergulhada em séculos de obscurantismo que não aceitava (e não aceita) contestações, trazendo para a prática médica uma nova era, caracterizada pelo respeito à humanidade.

Seu ideal de cura partia dos princípios de menor “quantidade” (dose) de uma substância (medicamento) com a maior eficácia e que provoque o menor dano possível num organismo. 

Através da Experimentação no Homem São, outra base da Medicina Homeopática, Hahnemann foi capaz de conhecer exatamente toda a gama de sintomas que as substâncias são capazes de provocar nos organismos, sintomas esses que, aplicada a Lei da Semelhança, são capazes de curar em sua totalidade. Hahnemann legou para a medicina o maior e mais completo tratado de Matéria Médica existente até hoje.

Seus saberes foram publicados irrestritamente, desde seus registros a respeito das virtudes medicamentosas das substâncias (as chamadas matérias-médicas), passando pela forma de extrair e incrementar seu potencial, até a forma de preparar e administrar os medicamentos aos pacientes.

Nas palavras do mestre Samuel Hahnemann: “No estado de saúde, a força vital de natureza espiritual, que dinamicamente anima o corpo material, reina com poder ilimitado e mantém todas as suas partes em admirável atividade harmônica, nas suas sensações e funções, de maneira que o espírito dotado de razão que reside em nós pode livremente dispor desse instrumento vivo e são para atender aos mais altos fins de nossa existência.”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by